quinta-feira, 1 de maio de 2008

A MOENDA

Da Costa e Silva



Na remansosa paz da rústica fazenda

À luz quente do sol e à luz fria do luar,

Vive, como a expiar uma culpa tramenda,

O engenho de madeira a gemer e a chorar.



Ringe e range, rouquenha, a rígida moenda;

E, ringindo e rangendo, a cana a triturar,

Parece que tem alma, adivinha e desvenda

A ruina, a dor, o mal que vai, talvez, causar...



Movida pelos bois tardos e sonolentos,

Geme, como a exprimir, em doridos lamentos,

Que as desgraças por vir sabe-as todas de cor.



Ai! dos teus tristes ais! Ai! moenda arrependida!

- Álcool! para esquecer os tormentos da vida

E cavar, sabe Deus, um tormento maior!



____________________

Só pra ilustrar o soneto de Geraldo Borges acima. Na minha infância o meu tormento foi decorar a moenda. Mas me lembro como um bom tormento, tanta é a beleza das letras em Da Costa e Silva. Do livro "Zodíaco", em Poesia Completa, ed. Nova Fronteira, Rio, 1985.

Nenhum comentário: