domingo, 21 de novembro de 2010

Minha Sombra

Geraldo Borges

.

Minha sombra acompanha-me tranqüila

Mas a sombra ao sol a sombra é outra

Que de noite se recolhe em minha argila

E se desfaz em fragmentos de posturas

.

Às vezes pela mão em uma avenida

Conduz-me por um lago azul de cisne

E faz troça do meu amor e arrependida

Propõe-me um oráculo e uma esfinge.

.

Embora queira mudar o meu destino

Está sempre pisando nos meus pés

E afagando o meu dorso de felino.

.

A minha sombra é meu encantamento

Que me assombra e me olha de viés

Por que além da verdade é fingimento.

.



Um comentário:

missosso disse...

belo soneto Geraldo, mandas muuuito companheiro!