quinta-feira, 19 de março de 2009

Guimarães Rosa

Geraldo Borges



Atravessei o espelho do rio
E fui parar na terceira margem
Num mergulho num arrepio
Que transfigurou minha imagem

Lá encontrei Guimarães Rosa
Pescando em uma canoa
Na sua conversa toda prosa
Disse que eu andava à toa.

E o que eu estava encantado
Entre a cabeceira e a foz
Das águas do Riobaldo.

E a única saída para mim
Era sertão veredas e empós
Apresentou – me a Diadorim.

Um comentário:

Vivian disse...

É que "viver é um descuido prosseguido"! nos sertões e nas cidades...