quinta-feira, 26 de junho de 2008

CHORO DA VIOLA (martelo cearense)

Edmar Oliveira

Sereno, serenata a alma canta
Na viola um martelo agalopado
E o mar bate firme em Iracema
Lá dentro a memória é meu cinema
Canto o choro da viola atordoado

As velas entristecidas em Mucuripe
Já não vibram nos versos do Raimundo
Cai a tarde e o dia moribundo
Lamenta que o sexo se antecipe
Nas meninas iludidas se dissipe
O futuro de Iracema abominado
De um sonho feito brisa abortado
Lábios de mel que amargam nesta aurora
A Praça do Ferreira marca a hora
Que a Praia do Futuro é sem passado

Sereno, serenata a alma canta
Na viola um martelo agalopado
E o mar bate firme em Iracema
Lá dentro a memória é meu cinema
Canto o choro da viola atordoado


Me entristeço na minha Fortaleza
Que ao sonho de outrora não retorna
A poesia do meu tempo não adorna
E rompe em fúria a minha natureza
Lembrando um passado de beleza
Recordo Aldeota emocionado
Quero espantar turistas do mercado
O que fizeram a ti? – minh’alma chora!
A praça do Ferreira marca a hora
Que a praia do Futuro é sem passado

___________________



Da última vez que estive em Fortaleza me entristeci. Não era a que conheci no passado. E este martelo martelou na minha cabeça...

Um comentário:

Chico Salles disse...

Caro Edmar,



Seu olhar coincide o meu.

Neste seu lindo martelo agalopado.

Eu também presenciei no meu passado

Iracema de jangada e pescadores.

Hoje assim observando os horrores,

Do progresso e da mediocridade.

Só me resta a lembrança e a saudade

E este texto despertado pelo teu.



Abçs,

Chico Salles.