domingo, 18 de novembro de 2012

MARE NOSTRUM



 
Lázaro José de Paula
 
TATEANDO AS CEGAS, VEJA SÓ....
COM CINCO GRAUS DE MIOPIA
EU TE ENCONTREI, FILHINHA, AGULHA DOURADA NO PALHEIRO
QUEM DIRIA , QUEM PODERIA SER BREJEIRO ASSIM NESSE TERREIRO ??
SÓ UM GALO SUTIL, COMO EU, QUE NO TERCEIRO CANTO
NÃO NEGO, E NEM RENEGO OS TEUS ENCANTOS
SÓ TU , MORENA, PENUGEM JABOTICABA
MAS QUE NUM FLASH LUMINOSO SE ACABA
PISCA-PISCA ME CHAMANDO
PRA TUA MOEDA DE TROCA
VIS -A-VIS, TETE A TETE
TENTANDO A SÉTIMA ONDA
DO MAR, MARÉ, " MARE NOSTRUM "
QUE ESSA ROSA NÃO TEM ESPINHOS
SÓ PRO MEU DELEITE
PORTANTO, DÁ-ME TUAS TÊTAS
DE MIL E UMA NOITES E MAIS UMA
SEMPRE MAIS E MAIS ALÉM
BAILARINA SALOMÉ DE SALEM

Um comentário:

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.