quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A Descoberta do Brasil


Geraldo Borges

Se eu fosse escrever um livro sobre a história do Brasil (tem muita gente escrevendo, até mesmo imaginando) eu me reportaria a sua descoberta. Não diria que o Brasil foi descoberto apenas por Pedro Alvarez Cabral, mas, claro, também por toda a tripulação de suas caravelas e galeões. Principalmente pelos gajos que estavam em cima da gávea das caravelas e galeões e primeiro disseram: terra à vista.

Mas o Brasil continua sendo descoberto, ainda temos muitas terras a vista, só que não é de quem a enxerga. Depois o Brasil foi descoberto pelos governadores gerais. Mais tarde vieram os franceses que descobriram as belezas do Rio de Janeiro e do Maranhão, vieram também os holandeses que descobriram as lindezas de Pernambuco, vieram também os espanhóis, foram embora, expulsos, mas hoje com a globalização resolveram voltar de um modo mais diplomáticos e continuam descobrindo o Brasil, os ingleses, estes sempre estiveram por aqui. Tiradentes com os seus poetas árcades tentaram descobri o Brasil inspirados na revolução americana, mas foram traídos, o que sobrou foi apenas poesia, uma escola literária, dramas e comoventes historias de amor...

Uma das grandes descobertas do Brasil se deu no período das guerras de Napoleão com a vinda de Dom João VI para cá em 1808, por coincidência a corte imperial chegou primeiro na Bahia, mas uma vez em porto seguro escoltada pelos ingleses que também já estavam descobrindo o Brasil com a abertura dos portos brasileiros as nações amigas. Descobrir o Brasil era a melhor coisa do mundo naquele tempo de pirataria continental.

Muito mais tarde um filho de Dom João VI, dom Pedro I descobriu o Brasil mais uma vez dizendo: como é para o bem do povo, eu fico. Ficou. Proclamou a Independência, e depois foi embora, criando um profundo buraco institucional, a regência. Ai quem tratou de descobri o Brasil foram os regentes, enfrentando várias guerras originarias das contradições sociais e econômicas; nessas guerras o povo tentou também descobrir o seu Brasil. Mas foram massacrados. O Brasil já estava descoberto para as elites, e era isto que importava. As elites descobrirem que o país precisava descobrir o seu imperador, ai pegaram um menino de quatorze anos e declaravam a sua maioridade. Tudo bem. O Brasil estava pacificado. Mas veio a guerra do Paraguai instigada pelos ingleses, o Brasil entrou nela, e foi além do tratado de Tordesilhas, redescobrindo-se mais ainda e aumentando o seu território.

Depois da guerra da Paraguai o exercito brasileiro se fortaleceu e começou a botar as unhas de fora, proclamou a republica, e sentiu que tinha descoberto o Brasil mais uma vez. Dom Pedro II foi morrer em Paris. Agora as coisas eram publicas. Adeus a monarquia. Novas descobertas. Apareceu Antonio Conselheiro, Euclides da Cunha descobrindo Os Sertões, o sertanejo em pé de guerra. O exercito querendo modernizar o Brasil e massacrando. Consolidada a primeira republica ela envelheceu. O exercito brasileiro rachou e alguns tenentes liderados por Luis Carlos Prestes começaram a descobrir o Brasil pelo sertão a fora, a pé, a cavalo, até que foram obrigados a se refugiarem na Bolívia. Depois veio a revolução de 30, e o Brasil foi novamente redescoberto tendo como líder gaucho Getúlio Vargas, um dos modernos descobridores do Brasil, a quem os trabalhadores devem muita coisa, não obstante muitos percalços pelos caminhos da liberdade.

Outro descobridor do Brasil foi Assis Chateaubriand, no campo da comunicação e das artes plásticas. Muitas outras grandes figuras da nossa história descobriram o Brasil, os irmãos Vila Boas. Marechal Rondon estendendo a rede telegráfica pelo interior do Brasil, se comunicando com os índios do centro Oeste principalmente, e dando nome a estado e cidade.

Quem mais descobriu o Brasil? Os nordestinos que construíram Brasília juntos com Oscar Niemayer, Lucio Costa e Juscelino Kubistchek. Brasília é um novo Brasil que nasceu em um momento revolucionário que logo teve de ser coberto pelo sombrio palio da reação. De moderno persiste a arquitetura que não acompanha a ruína de seus políticos. Quem diria tudo começa com Cabral na linha da costa e veio se completar em cima do planalto para uma melhor distribuição demográfica do país, mesmo assim ainda há muito chão para se caminhar e descobrir.

Bom. O Brasil está sendo descoberto e redescoberto, o processo é longo, e faz-se o caminho andando como diz o poeta. Um operário quis descobrir o Brasil, e descobriu muita coisa até mesmo o que não queria, e foi obrigado a esconder. O Brasil não está mais deitado em berço esplendido, acordou, estremece, se redescobre a cada dia, e são muitos os seus descobridores, nos campos, nas cidades, nos rios, nos mares e continuam navegando, enfrentando tempestades, e gritando terra a vista.

Um comentário:

João de Deus Netto disse...

Em Portugal, a "gávea" ou cesto do topo do mastro do galeão, é chamada de CARALHO! Depois dizem que o carioca é que fala três palavrões a cada duas palavras. Ficaria, no mínimo, constrangedor,o sujeito no Rio de Janeiro, subir e pular de asa delta de cima do caralho, descer nas areias de São Conrado, a poucos metros de centenas de xerecas esparramadas ao sol. Mas, que diaxo é xereca mesmo? Vou já no Aurélio, este sim, um dicionário do caralho, e não, um privilégio dos moradores da Gávea -um trocadilho pra acabar de fu... Chega de palavrão!