domingo, 17 de dezembro de 2017

UM CONTO DE NATAL


Edmar Oliveira

Nasceu num quarto de chão batido, o mesmo chão lambido pela vaca e pela cabra em busca do sal da terra. Debaixo do mesmo sol que ressequia o sertão e evaporava a água que não tinha. Maria lhe deu o nome de José, como o pai. José de Jesus, como promessa da redenção por novo provir. O mês era dezembro, o dia vinte e cinco, mas que tanto fazia ser outro dia, como todos tão iguais. Vingou, como José Antônio, José Francisco, José Pedro, Maria das Dores, Maria de Fátima, Maria do Amparo e Maria de Jesus, esta também como ele, nascida em outro Natal. Os santos marcavam o calendário do tempo que era de uma seca toda igual. Os outros, tantos quantos os vivos, morreram na primeira desavença do ser com o mundo. Febre e caganeira mataram mais de três. Catarro e tosse braba uns dois. Fraqueza e quebranto outros tantos. Nem dos nomes ninguém mais lembrava. Mas com ele Maria teve mais esperança. Não só de vingar, como em mudar a sina de quem se acabava em cima daquela terra, na qual mais se colhia sofrimento do que de comer. Mas é dos resistentes que o sertão é pátria. Do filho deste solo és mãe, gentil pátria minha sertão. Este José de dezembro ficou taludo, escapando de todas as artimanhas do árido. E começou a gostar das dificuldades. Um dia foi embora tentar a vida no sul. Morou na casa de uns primos, filhos do tio Baltasar. João Batista foi seu condutor na cidade grande. Ensinou o caminho do Rio das Pedras. Pedro e Lucas hoje contam suas aventuras. Pois que José de Jesus ganhou muito dinheiro na cidade grande quando mandou buscar Maria e seus irmãos. José, o pai, já tinha falecido. Maria agradeceu a Deus pelo filho que tivera. No seu barraco na favela tinha um conforto tão grande que nunca vira no sertão. Água encanada, então, Deus é pai. Televisão e luz elétrica eram mais que milagre. Comida no prato, todo dia, era muito mais do que desejara. Enquanto viveu, este filho só lhe deu alegria até ser atravessado por um tiro de fuzil, no alto do morro, em confronto com o caveirão da polícia. Subiu aos céus na semana santa. E em todo Natal Maria lembra do filho imolado para que seus irmãos tivessem uma vida mais decente nesta terra abençoada. Toda segunda feira Maria acende uma vela pro seu Jesus. E esta segunda feira é Natal...

____________________

Crônica publicada em 16 de dezembro de 2007. Como o Piauinuata foi lançado em dezembro ao espaço sideral, manteve a tradição de ter uma crônica de Natal todos os anos seguintes. Essa foi a primeira, aqui republicada. Apenas tirei uma palavra da frase final. No original, a segunda feira era "véspera" de Natal, palavra que foi sacrificada para atualizar a crônica.

Ilustração para esta edição de 1000TON








Nenhum comentário: