domingo, 2 de julho de 2017

A história de C.B.


Nenhum texto alternativo automático disponível.




(Léo Almeida)

C.B. sempre acreditou que podia mudar o mundo. Desde pequeno tratou de afiar suas ferramentas para a grandiosa tarefa. Aprendeu filosofia, estudou biografias de gênios da literatura, da música, das artes em geral. De temperamento extremista, mergulhou com muita fé em todas as crenças, beijou os pés do Papa, chutou imagens de Santas, caçou muita rola, bebeu chás e ácidos, fez libações e ajoelhou-se na direção de Meca e Machu Pichu, rezou todos os evangelhos e cometeu também todos os pecados, além de procurar discos voadores nos arredores da Chapada. Preparou-se como ninguém para a obra máxima de sua existência: mudar o mundo. Mas por onde? Mudar o quê? Primeiro resolveu salvar as foquinhas das mãos dos japoneses, pois sabia a crueldade que aquele povo destila em animais indefesos. Resultado: quase lhe tiram também o couro e C.B. parou estrategicamente para repensar seus planos. Viajou para a Amazônia, haveria certamente de impedir o desmatamento e a matança de botos. Pegou malária, ficou meses na rede, suando frio, delirando, até que foi desalojado daquela rede pois precisavam das árvores em que estava amarrada. C.B. ficou em Manaus por um tempo, lambendo suas feridas e seu orgulho. Tanta filosofia para pouco resultado. Mas C.B. não era homem de desistir fácil assim, não seria uma reles malária a responsável pelo seu fracasso. Engajou-se como marinheiro num barco de bandeira grega e saltou em Moçambique cheio de boas intenções: ajudaria no combate a AIDS e ao Ebola. Inteligente como ele só, C.B. logo dava palestras sobre sexo seguro para prostitutas. Sentiu-se, pela primeira vez na vida, realizado. Mas o fato é que, esqueceu-se C.B., as prostitutas, já soropositivas, não têm poder algum sobre os homens que lhes frequentam as partes. Os casos de AIDS continuaram crescendo, promovendo, como portugueses dos quinhentos, o extermínio de tribos e tribos africanas. A série de fracassos não foi maior que sua esperança e C.B., durante muito tempo, julgou-se o salvador do mundo. O que se sabe é que hoje, depois de muitas frustradas tentativas e um AVC que o faz puxar a perna esquerda, C.B., cinquentão, sobrevive como assessor parlamentar de um deputado, amigo de infância. Mora em Brasília, numa quitinete na Asa Norte, que divide com um amigo poeta, e redige pareceres engajados sobre a questão social no Brasil e no mundo. Pareceres inúteis, posto que sempre desconsiderados pelo amigo deputado de uma legenda de aluguel. Batalha feito um louco para provar tempo de serviço suficiente para aposentar-se. Sei que há homens que lutam um dia e são bons, outros que lutam muitos dias e são melhores, e outros...blá blá blá, enfim, há aqueles que, como C.B., lutaram uma vida inteira. Esses...ah, esses a gente conta nos dedos e lamenta sua sorte.
__________________
Ilustração: Amaral




Nenhum comentário: