domingo, 16 de julho de 2017

A dança das cores

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Você se esconde em tons de azul
E fica assim um ser celestial
Que outro dia morava em minha rua
E hoje habita as notas da canção

Desorienta o norte do meu sul
Não observa as regras do normal
Em vez de andar você flutua
E desafia as leis do coração


Você se mostra ao vestir-se de vermelho
Incendiando os lugares onde passa
Vai espalhando luz intensa nessa roupa
Mais brilhante e mais quente que o sol


Tudo isso é refletido no espelho
Entre nuvem incandescente de fumaça
Sob o canto de um anjo de voz rouca
Que ostenta a solidão de um farol


Você e seu vestir compõem um mundo
Que desnuda o colorido da nudez
E traçam no desejo mais profundo
O mar mais fundo da profunda sensatez


(Climério Ferreira)
_________________________________
desenho: Amaral

Um comentário:

Erivaldo Galvao disse...

Muito interessante e musical este poema, coisa de craque só faz quem sabe!